terça-feira, 4 de março de 2014

A nossa ausência

....
Muitas reticências pra começar esse post!!!

Um nó na garganta, junto com um vazio bem gigante...
Uma dor que só o tempo vai acalantar!!

Em quase quatro meses de ausência, pelas tarefas do cotidiano, deixei de postar os marcos importantes na Vida da Laurinha.
Em dezembro viajamos pra fazer uma série de exames e descansar em família. Foi uma viagem intensa, graças a Deus tudo deu certo e voltamos pra casa cheios de planos. Eu tinha minha mãe tão perto e feliz...

Em Janeiro retornamos ao médico com os exames em mãos e "Descobrimos" que Laurinha pode ter Síndrome de Charge ou Associação Charge. Estamos ou estávamos em processo de confirmação desse diagnóstico...

Em Fevereiro, quando o curso da vida parecia se encaminhar pro ritmo normal de mais um ano pela frente a minha mãe fica doente.
Uma violenta gripe transformada em pneumonia e agravada pelas taxas de pressão e diabetes altíssimas.
Dói... dói lembrar que uma manhã ela parecia tão bem, melhorando, reagindo, conversando e alegre e dói ainda mais saber que minutos depois ela iria embora....

Dói escrever que ela não tá mais aqui, dói não ter ela tão perto... dói demais. Dói não ter a segunda mãe da minha filha tão perto dela, me ajudando a ser mãe, me mostrando o que eu fazia de errado, me corrigindo, me apoiando, me brigando...
Dói muito...

Minha filha entra no quarto todos os dias, refazendo um caminho diário pra dar o beijo de bom dia na avó e mexer as coisas dela. Ela não entende e eu tenho medo dela esquecer esse carinho e todo esse amor que ao som da voz da avó já deixava ela inteiramente elétrica e imensamente feliz!!!
Como explicar pra uma criança especial, como??? Como fazer ela entender e não esquecer que existiu um anjo nesse mundo, em carne e osso, que a amou tão intensamente e se entregou a cada minuto desde que  saiu de do meu ventre, que o primeiro olhar trocado foi entre elas, que o primeiro colo foi o da avó... 
Eu fui mera expectadora desse amor, uma auxiliar no papel de Mãe... pq minha mãe também foi a mãe da minha menina.

Meu coração desmorona as vezes... 
Horas ele compreende que a vontade de Deus é soberana e se conforta pela partida prematura... O nosso anjo só mudou de casa, porque eu sei que ela ainda nos protege e eu sinto que ainda me ensina. 

Eu sonho que ela ainda está aqui...