quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Nossa História na AACD

Muitos amigos sabem a minha grande vontade de poder fazer sempre mais pela Laurinha, apesar de muitos acharem que ela é uma criança bem estimulada, eu sinto a necessidade de buscar mais e acho que qualquer mãe no meu lugar também se sentiria assim.
Dessa forma, eu fui procurar na AACD uma outra alternativa de tratamento, fui buscar conhecer o trabalho da instituição, que como o SARAH tem uma reputação excelente no tratamento de adultos e crianças com paralisia cerebral e comprometimento motor.

Fiz o cadastro quando a Laurinha ainda estava internada (2010) na UTI, na época temíamos que ela pudesse ficar com seqüelas gravíssimas diante dos episódios de crise convulsivas tão severas. Foi um susto que não gostaria de passar novamente.
Enfim, graças a Deus ela voltou pros meus braços, perfeitinha e sem nenhuma seqüela. E com as estimulações foi desenvolvimento bem.
Então no início do mês de setembro, praticamente um ano depois, a AACD nos chama pra um atendimento e lá fomos nós em busca de mais essa alternativa de tratamento.

Na minha cabeça, sinto que faltava um esclarecimento maior sobre o tipo de paralisia que a Laurinha tem, isso apesar de bobo pra alguns, me incomoda muito. Saber se existe de fato um comprometimento maior do que o observado e se há expectativas para a marcha.

Fui esclarecida que sim, A MINHA FILHA VAI ANDAR, claro que já ouvi isso de muitas pessoas e eu mesma tenho visto o desenvolvimento dela, mas o fator mais confortante foram como as palavras me foram ditas, eu fui esclarecida a respeito de vários exames que levei e sobre essa questão do tipo de paralisia.

Fui esclarecida que a AACD desenvolve um trabalho de reabilitação voltada a pacientes com deformidades físicas e não é o caso da minha filha. E me informaram que o cognitivo apesar de estar bem atrasado, deve continuar sendo estimulado, no entanto a AACD só trabalha esse tipo de estimulação com crianças e adultos em situações mais graves.

Pode parecer pra muitos que fui lá “Perder Tempo” se for pesar o que me disseram e o que fizeram, mas pra mim foi uma triagem pra aliviar minha mente, pra confortar meu coração.

Ouvir de profissionais maravilhosos e altamente capacitados, que trabalham em um dos melhores hospitais do país, que a minha filha está “ÓTIMA” não tem preço algum.

Saber que ela não precisa assim de tantas estimulações e terapias como eu imaginava que precisava e que gostaria de proporcionar, é ainda mais confortante. Eu não preciso ficar neurótica achando que o mundo vai acabar se não colocar a Ana Laura em mais uma estimulação.

No geral é isso, ficamos com um cadastro “em aberto” como eu gosto de chamar, a médica me orientou que caso eu tenha interesse em voltar e tentar uma nova triagem daqui a alguns meses ou anos (caso a Laurinha não tenha ganhos motores), então poderemos pensar em um acompanhamento mais próximo. Mas tenho certeza que ela não vai precisar de mais estimulações, além das que já faz.

A respeito da viagem, não foi curtição, não conheci São Paulo, fomos ao shopping umas duas vezes e na AACD, caminhamos pelo quarteirão onde o hotel estava localizado e fomos a uma igreja de São Francisco que ficava ao lado do hotel, nunca tinha visto uma missa rezada em japonês, nem preciso dizer que não deu pra entender nada né?! Mas não assistimos essa não, só passamos em frente e voltamos outra hora pra assistir a missa em português xiaaaaaado J

É isso... nossa aventura em terras paulistas, num friozinho tudo de bom!!





 

Bjo!!


terça-feira, 6 de setembro de 2011

Laurinha no Parquinho

No domingo fomos com a Laurinha pro parquinho de manhã bem cedinho, ela precisa de um solzinho pq tá branquela demais pro meu gosto!!!
Foi uma diversão meio estranha pra ela, primeiro pq se lambuzar toda de bloqueador solar não é lá uma das atividades mais prazeirosas e depois rolar na areia com aquilo tudo grudando no bloqueador é ainda mais treva!! E encostar o pé na areia (suja) kkkkk foi o fim da picada pra ela.
Definitivamente a experiência não foi das melhores, ela chorou horrores pra parar, mas é assim... tem que sentir um pouquinho de tudo!





segunda-feira, 5 de setembro de 2011

AACD

Há mais ou menos um ano, quando na época a Laurinha esteve internada na UTI, pensávamos que por conta da gravidade do estado em que ela se encontrava, poderia ter sequelas motoras e neurologistas ainda piores. Mas graças ao bom Deus e a todas as nossas orações, ela não teve nadinha. Voltou da internação super esperta e cheia de vida. Um verdadeira milagre!!.

No entanto, no período pós internação, eu resolvi tentar uma outra alternativa e comecei a pesquisar sobre terapias diferentes. E no meio do caminho resolvi ligar na AACD e fazer o cadastro da Laurinha.
Já haviam me dito que era muito demorado e que a fila de espera era de anos, então fizemos o cadastro e deixamos um pouco de lado, na tentativa de organizar uma viagem a São Paulo pra fazer umas consultas mais especializadas com neuro e nefrologista.

Mas eis que nos últimos dias, recebi a ligação da AACD informando que a consulta é dia 12/09 e claro... mesmo em cima da hora estaremos lá pra conversar e saber a respeito do trabalho deles.

Na minha situação, mesmo que chegue lá e me digam que não podem fazer nada por ela, que já está sendo feito o tratamento específico pra paralisia cerebral, eu quero mais e vou buscar mais sempre que puder... e assim vamos seguindo!!

Que possamos colher bons frutos dessa viagem que só me enche de boas expectativas!